Comunidades indígenas precisam de sua solidariedade enquanto a lei de mineração destrutiva avança | Amazon Watch
Amazon Watch

Comunidades Indígenas Precisam da Sua Solidariedade Como Projeto Destrutivo da Mineração Avança no Congresso Brasileiro

Apesar da oposição massiva, políticos no Brasil aprovaram a tramitação de um projeto de lei que pode levar à perda de mais de 16 milhões de hectares de florestas e causar destruição irreversível aos territórios indígenas

24 de março de 2022 | Rosana Miranda | De olho na amazônia

Foto: Marizilda Cruppe / Amazônia Real

Em 9 de março de 2022, enquanto mais de 15,000 brasileiros demonstraram diante do Congresso brasileiro pedindo a retirada do “pacote de destruição” – uma série de projetos de lei e decretos que ameaçam os direitos ambientais – o vice-presidente da Câmara, Arthur Lira, decidiu acelerar um desses projetos durante uma sessão noturna. O projeto de lei 191/2020 permitiria a mineração dentro de terras indígenas, desencadeando morte e devastação sobre o meio ambiente e as comunidades indígenas. 

Em nosso recente relatório Cumplicidade na Destruição IV, ressaltamos os riscos inerentes ao Projeto de Lei 191/2020, política flagrante que representa a visão e os interesses dos indicados políticos do presidente Bolsonaro e dos financiadores de sua campanha. Além de permitir a mineração em terras indígenas e negar aos povos indígenas o poder de veto, o projeto também visa autorizar o plantio de sementes geneticamente modificadas e a construção de hidrelétricas, atividades pecuárias e projetos de petróleo e gás nessas localidades. Atualmente, a mineração em Terras Indígenas é proibida no Brasil. A Constituição do país impôs normas altamente restritivas às atividades de mineração quando potencialmente realizadas em Terras Indígenas, dada a natureza inerentemente de alto impacto da mineração. O Projeto de Lei 191/2020 é mais um ataque aos direitos e territórios indígenas.

Agora, o projeto tramita na Câmara Baixa – composta majoritariamente por representantes do agronegócio, mineração e setores extrativistas – cujos membros votaram 279 a 180 a favor da “urgência” da questão. O projeto provavelmente será enviado diretamente para votação no Plenário da Câmara dos Deputados, pulando uma série de etapas processuais que esse tipo de legislação costuma seguir, incluindo uma ampla discussão pública. A votação deve acontecer no próximo mês. Se aprovado na Câmara, o projeto seguirá para o Plenário do Senado.

Nós da Amazon Watch, juntamente com nossos parceiros da APIB, lançamos nosso último relatório como uma ferramenta para derrotar o Projeto de Lei 191/2020 e quaisquer outras tentativas de reverter os direitos dos povos indígenas às suas terras e autodeterminação. Vale, Anglo American, Belo Sun, Potássio do Brasil, Mineração Taboca/Mamoré Mineração e Metalurgia (ambas do Grupo Minsur), Glencore, AngloGold Ashanti e Rio Tinto são as mineradoras destacadas no relatório. Essas mineradoras receberam um total de US$ 54.1 bilhões em financiamento de gestores de investimentos e bancos dos EUA, bem como da França, Alemanha, Canadá, Japão e outros. Juntamente com a APIB, expusemos suas atividades e os pressionamos a assumir compromissos concretos para proteger esses territórios. 

Todos devemos soar o alarme e interromper os avanços na Amazônia por empresas de mineração e seus financiadores cúmplices. A mineração destrói a terra, envenena a água e tudo que dela depende e devasta as comunidades vizinhas. Impõe custos enormes a todos, apenas para gerar lucros concentrados em poucas mãos. Neste momento de crise climática, onde grandes mineradoras se posicionam como atores centrais na produção de energia renovável, é preciso reconhecer os impactos desse extrativismo desenfreado, principalmente nas terras indígenas. 

Além disso, este projeto de lei de mineração contraria a Constituição brasileira e o direito internacionalmente reconhecido à autodeterminação dos povos indígenas garantido por Convenção 169 da OIT, cortando o direito indígena ao consentimento livre, prévio e informado (FPIC). Isso elimina qualquer oportunidade para os povos indígenas vetarem atividades em suas terras. Se aprovado, o projeto resultará em aumento do desmatamento, invasões de terras indígenas e violência contra esses povos. 

Depois de pouca movimentação no Congresso no ano passado, o projeto foi priorizado quando o governo o incluiu em uma lista de prioridades legislativas para 2022. No início de março, Bolsonaro afirmou que uma possível escassez de fertilizantes causada pela guerra da Rússia na Ucrânia poderia ser sanada se As terras indígenas foram abertas para a exploração de minerais como potássio, ou potássio, um ingrediente-chave para fertilizantes. Bolsonaro e seus aliados afirmam que essas terras devem ser abertas à extração mineral para alimentar o poderoso agronegócio brasileiro e diminuir a dependência do país das importações de fertilizantes. Isso é uma pretensão. Enquanto Bolsonaro afirma a escassez de fertilizantes justifica a pressão agressiva de seu governo para promover a produção doméstica, a maioria das principais minas de potássio da Amazônia estão localizadas fora das terras indígenas, e análises anteriores mostram que toda a demanda brasileira por potássio poderia ser atendida por reservas localizadas principalmente fora da Amazônia, completamente fora das terras indígenas.

Os povos indígenas se mobilizaram repetidamente para se opor ao Projeto de Lei 191/2020, e pesquisas mostram que 86% da população brasileira é contra a mineração em terras indígenas. O Munduruku referem-se a ele como “o projeto de morte que está dividindo nosso povo e trazendo violência [contra aqueles que] lutam para defender nossa terra”. A APIB denunciou o projeto como representando “manifestações de ódio e racismo visceral que o governo Bolsonaro tem mostrado, rotineira e publicamente, contra povos, organizações e lideranças indígenas brasileiras desde seu primeiro dia”. Considerado uma tentativa de “manipulação do nosso desejo de autonomia”, o projeto foi rotulado pela APIB como um “projeto de morte”.

O governo federal, políticos e atores do setor privado insistem que a aprovação do Projeto de Lei 191/2020 resultaria em desenvolvimento econômico para o Brasil e para a região amazônica e seu povo. Ainda um estudo na revista científica Uma terra mostra o impacto explosivo do Projeto de Lei 191 sobre o desmatamento: A política pode resultar em uma perda de mais de 160,000 km2 de florestas, uma área maior que a Inglaterra. Além disso, sua passagem pode levar a US$ 5 bilhões em perdas anuais em “serviços” ecossistêmicos, definidos como benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas, ou seja, a produção crítica da Amazônia de alimentos e matérias-primas para os povos que vivem lá, sua capacidade de capturar gases de efeito estufa , e regular o clima global ficaria ainda mais comprometido.

Entre nossas recomendações, pedimos aos gigantes da mineração e seus financiadores que se oponham publicamente ao projeto de lei 191/2020. Enquanto muitas empresas responderam com tentativas de contestar nossos dados ou desacreditar nossa pesquisa, nenhuma respondeu às nossas demandas ou se posicionou claramente contra esse ataque aos direitos dos povos indígenas. Isso mostra que, apesar dos grandes investimentos em declarações e publicidade ESG (Ambiental, Social e Governança), essas empresas estão longe de realizar ações concretas para garantir o futuro do planeta. É por isso que temos de continuar a pressioná-los e estamos a convidar os nossos apoiantes a assine o compromisso para se juntar a nós no envio de uma mensagem para mineradoras e investidores financeiros: Mantenha a mineração fora da Amazônia e fora das terras indígenas!

URL curto

Doar

O Amazon Watch está consolidando mais de 25 anos de solidariedade radical e efetiva com os povos indígenas em toda a Bacia Amazônica.

DOE AGORA

Fique informado

Receber o De olho na amazônia na sua caixa de entrada! Nunca compartilharemos suas informações com ninguém e você pode cancelar a assinatura a qualquer momento.

Subscrever

TOME A INICIATIVA

Mineração fora da Amazônia!

TOME A INICIATIVA