Vitória Munduruku: Pressão sustentada força Anglo American a retirar licenças de mineração | Amazon Watch
Amazon Watch

Vitória Munduruku: Anglo American concorda em retirar 27 licenças de pesquisa de mineração em territórios após pressão sustentada por movimento indígena

21 de julho de 2021 | Rosana Miranda | De olho na amazônia

Crédito da foto: Cícero Pedrosa Neto / Amazônia Real

Após meses de campanhas de pressão em solidariedade com nossos parceiros, a mineradora britânica Anglo American finalmente respondeu às demandas dos povos indígenas e entrou em ação. Ela retirou 27 licenças de pesquisa de mineração que deveriam se sobrepor às terras indígenas no Brasil, incluindo o território Munduruku de Sawré Muybu. Essas licenças eram uma grande ameaça para os povos indígenas, bem como para seus territórios e meios de subsistência. Já se passaram sete meses desde primeiro dissemos à Anglo American para ficar fora do território Munduruku e abster-se de minerar em terras indígenas. Essa vitória é fruto de nossa campanha sustentada com a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB).

Agora, precisamos ter certeza de que suas palavras sejam convertidas em ação. Permanecemos vigilantes para confirmar se os aplicativos foram removidos do banco de dados oficial de mineração do Brasil e se nenhum novo pedido foi feito nessas áreas. No momento, a mineração é uma das ameaças mais significativas e crescentes contra os povos indígenas e suas terras.

O governo Bolsonaro fez da abertura de terras indígenas para mineração e indústrias extrativas uma prioridade política e até tentou cooptar o apoio dos líderes indígenas para a mineração em suas terras. A mineração ilegal aumentou desde o início deste ano, principalmente nas terras Munduruku e Yanomami. Nos últimos meses, documentamos e questionamos a violência contra os povos indígenas que enfrenta mineração ilegal, bem como os impactos e destruições que a indústria deixa para trás, como desmatamento e contaminação da água.

Devido ao sucesso desta campanha, também organizamos com sucesso um encontro entre a mineradora e lideranças indígenas da APIB. Em uma carta direta à Anglo American, a APIB explicou à empresa porque é crucial que ela comprometa-se publicamente a retirar todos os pedidos para pesquisas minerais que se sobrepõem às terras indígenas. Este pedido visava especificamente ao território indígena Sawré Muybu, do povo Munduruku, no estado do Pará, onde Anglo American tinha 13 licenças de pesquisa de mineração. Essas autorizações para pesquisar minerais naquela área aprofundariam os impactos já sentidos pelos Munduruku como resultado da extração ilegal de madeira, agronegócio e mineração ilegal de ouro.

Em maio, a Anglo American realizou sua Assembleia Geral Anual (AGM) com seus acionistas e, juntamente com a APIB e a Rede Latino-americana da Anglo American, nós nos certificamos de enviar a mensagem que os territórios indígenas na Amazônia devem ser protegidos, não explorados.

Durante a AGM, a Anglo American disse a seus investidores que eles “não realizaram nenhuma atividade” e “nenhuma atividade é pretendida” na terra Sawré Muybu. Foi a primeira vez que a empresa fez uma declaração pública sobre suas intenções na área e agora uma pela qual ela pode ser responsabilizada.

Em 24 de maio, recebemos a confirmação da Anglo American de que, após revisar as 27 autorizações de pesquisa que a Amazon Watch e a APIB chamaram à sua atenção como as mais críticas, decidiu retirar todos eles. Em seguida, a empresa comunicou sua decisão à Agência Nacional de Mineração. Além do território indígena Sawré Muybu, essas pesquisas permitem impactar outros quatro territórios nos estados do Pará e Mato Grosso: Apiaká do Pontal e Isolados, Escondido, Kayabi e Panará.

Logo após ser questionada publicamente em sua AGM sobre planos de mineração dentro ou nas proximidades de Terras Indígenas na Amazônia, a Anglo American confirmou sua retirada das licenças que apontamos como problemáticas. Nossa pressão funcionou. Embora seja uma grande vitória, não vamos desistir dessa estratégia para garantir que a mineração em grande escala, inclusive pela Anglo American, pare de se esconder atrás de regulamentações e licenças fracas e, em vez disso, respeite ativamente os direitos dos povos indígenas, especialmente o direito à liberdade, Consentimento prévio e informado (CLPI).

Ainda há muito a ser feito para garantir que as terras indígenas, principalmente na Amazônia, sejam protegidas contra a exploração mineira. Com a ameaça de fatura 191/2020 - que abre terras indígenas para mineração, entre outras atividades - sempre sombrio, e os novos aliados de Bolsonaro no Congresso prometendo colocá-lo em votação o mais rápido possível, continuamos pedindo à Anglo American que tome uma posição que esteja em consonância com seu princípios declarados e para viver de acordo com seus próprios chamados “mineiro responsável”Padrão.

Dinamam Tuxá, da Coordenação Executiva da APIB e líder nesta campanha, compartilhou: “Continuamos monitorando e pressionando a Anglo American a se comprometer com a proteção ambiental e, principalmente, a respeitar os direitos dos povos indígenas, conforme definido por tratados e acordos internacionais . Como povos indígenas, entendemos nossa responsabilidade de proteger e preservar a floresta, mas essa é uma responsabilidade compartilhada. Consumidores e empresas têm obrigações socioambientais e a Anglo American não pode fugir de sua responsabilidade com toda a humanidade ”, ressaltou.

Esta vitória é o resultado da resistência e do trabalho conjunto entre os líderes Munduruku, nossos parceiros da APIB e nossos aliados - todos contamos com seu apoio e solidariedade contínuos! Juntos, manteremos a pressão não apenas sobre a Anglo American, mas todo o setor de mineração. Dessa forma, a indústria será forçada a cessar práticas nocivas como a mineração em terras indígenas, que pode ter um grande impacto sobre a subsistência, a biodiversidade e a proteção da floresta amazônica. Estamos unidos por uma Amazônia livre de mineração em todos os territórios indígenas!

URL curto

Doar

O Amazon Watch está consolidando mais de 25 anos de solidariedade radical e efetiva com os povos indígenas em toda a Bacia Amazônica.

DOE AGORA

Fique informado

Receber o De olho na amazônia na sua caixa de entrada! Nunca compartilharemos suas informações com ninguém e você pode cancelar a assinatura a qualquer momento.

Subscrever

TOME A INICIATIVA

Mineração fora da Amazônia!

TOME A INICIATIVA